amor

Tempo certo – Página

Foto de Tempo Certo.

Pessoas lindas que deseja saber se o site Tempo certo tem página no Facebook, e sim: TEMOS PÁGINA.

Quem puder, dá aquela curtida para divulgar nosso trabalho cada vez mais, e se tiverem página do sites de vocês, comentem que curtirei também.

Vamos levar a arte de escrever as pessoas.

Página |Curta: Tempo certo – Facebook

Anúncios
Dedicatoria

Tu me afetou em cheio

Quando paro para ler Caio F. de Abreu, tenho a sensação de que ele escrevia para mim. Tem dia que suas palavras se enquadram perfeitamente ao que desejo expressar. Hoje, por exemplo, acordei refletindo em como eu sempre fui do tipo “me deixe quieta na minha”. Nunca me rendi a paixões aventureiras. Nunca me iludi com coisas banais. Quando meu primeiro amor partiu, preferi a solidão. É claro que no começo é porque estava ferida, mas, depois notei que isso era parte mim. Os amores rasos nunca me atraíram. Observar de longe as vantagens e desvantagens de ter alguém, me fez lembrar daquela frase do Caio que diz: “Calma. É só se manter longe. Longe, bem longe. Que longe nada afeta. Ou quase nada.” E assim estava seguido todos esses anos, até te encontrar. Eu tinha a certeza que o amor de nossa vida deveria ser o primeiro, mas aprendi na raça que ele não tem ordem certa, e te olhando percebo que é verdade. O amor é todo certo no tempo dele. Não estava procurando. Não corri atrás. Também nunca dependi dos sentimentos dos outros para ser inteira. Sentia falta de ter com quem compartilhar meu dias ao íntimo, mas não o suficiente para me deixar insatisfeita. A liberdade sempre me chamou atenção. Mas você apareceu. E o pior – ou melhor – é que você me prendeu, mesmo me deixando livre. Embora eu me mantivesse longe, tu conseguiu me acertar, e afetou meu afeto. Me pergunto como foi possível? A onde tu achou esse ponto fraco em mim? Como tu conseguiu atravessar as barreiras do meu coração? Nem mesmo você saberá me responder, porque, no fim a gente entende que os sentimentos não se atenta a explicações, simplesmente sentimos.

Foi no momento exato – agora que você está quase partindo para quilômetros de distância – que o teu afeto gravou-se no meu peito de tal forma, que me permite ser capaz de te amar mesmo se tu for para outra dimensão. A paciência faz parte da nossa história, e todo esse tempo te conhecendo, sabendo das tuas manias, defeitos, qualidades, sonhos, e afins, se transformaram nas vantagens de ter alguém. E sabe o que isso quer dizer? Que ter você me faz bem. Não sei se ficaremos juntos. Pode ser que o destino nos reserve uma longa vida a dois. Mas, de longe eu ficarei esperando. Não se preocupe, ninguém vai vir e arrancar você daqui de dentro. Demorei tanto para redescobrir os meus sentimentos que duvido se esse raio cairá duas vezes no mesmo lugar. Então pode partir em paz. Eu não saberia me expressar melhor sem dizer que eu sentirei tua falta todos os dias. O meu amor é seu. Não prometo que darei notícias sempre. Talvez eu fuja novamente só para não me apaixonar ainda mais. Mas, saiba que aqui dentro de mim você sempre há de ser a melhor parte que eu tive e terei. Mesmo que você não acredite nisso, e que as pressões do dia-dia não lhe permita enxergar: tu é incrivelmente amável, e esse teu jeito desajeitado é que tem me ganhado. Eita mundo que gira, né? Não esperava amar outra vez, mas te agradeço por me afetar, mesmo de longe, com um afeto que nem você mesmo sabia ter aí dentro desse coração frio. Pode ir em paz. São as noites de longas conversas que nos aquecerão quando nada fizer sentindo. São os abraços sedentos que tivemos que tirarão a graça de todos os outros que quiserem nos abraçar, e os beijos que pouco a pouco foi tornando-se significativo e especiais,  não reconhecerão outros gostos. Não estou confusa em relação a nada do que estou sentindo, só quero que tu esteja preparado quando meu afeto te afetar de volta também.

Tempo certo
Vida

Pra você que só me procurava quando não estava bem…

Eu senti tuas dores. Todas as vezes em que chorou, enxuguei tuas lágrimas. Eu te vi caído, sem forças, e te estendi a mão e lhe dei abrigo. Quando nada tinhas para oferecer, permaneci com todo meu apoio. Era incogitável a ideia de abandonar-te quando mais precisaste de um ombro amigo, mesmo que esse ombro fosse o meu, a pessoa quem tu feriste e magoaste no passado. Deixei de lado nossas desavenças, e mostrei que o amor está acima de qualquer barreira. O perdão me trouxe luz. A paz irradiou minh’alma. A vida deu sua volta naquele momento. E lá tu estava necessitado de alguém para te ajudar a caminhar. É nas horas difíceis que vemos quem realmente se importa. Creio eu que quando tu me vistes entrar pela porta, assustou-se e ficou sem entender ou quem sabe até pensou que eu era uma doida. Depois de tudo que nos aconteceu, aparecer do nada trazendo acalento que almejavas – como tu dizia: um anjo da guarda.Aprendi ao longos do anos de experiências que não devemos esperar nada em troca quando ajudamos o próximo – mesmo que esse próximo seja quem mais amemos – mas, nunca estamos prontos para ingratidão. Ao passar por toda a turbulência, é óbvio que não caí na ideia de que poderíamos tentar outra vez. Eu esperava, pelo menos, um obrigado ou quem sabe, um sorriso sincero de agradecimento. Ao se levantar das cinzas tu correu para o mundo a fora. E advinha o que aconteceu depois? Tu caiu novamente. E o pior. Advinha quem tu procurou? Sim, eu. Me tornei um step de suas desilusões. Quando algo de ruim te atingia, lá vinha você procurar saber de mim o que deveria fazer. Confesso que as primeiras vezes estive presente. Ouvi. Cuidei. Fui uma coluna para o teu teto frágil. Depois que outras vezes começaram a vir, senti meus ombros pesarem. Meu semblante já não era o mesmo. Meu coração passou a ficar apertado, mas continuei ali. Só que ninguém pode ser forte por dois, tampouco amar por dois, e então desabei. Quando tu não estava bem por qualquer coisa que fosse, me procuravas, mas se eu não estou bem por causa de você, procuro quem? Foi aí que notei que não tinha quem me acolhesse. Me dediquei a você, e esqueci de mim. Parti então. Meses depois você me ligava chorando porque algo ruim havia novamente, mas não atendi. Cheguei em casa e ouvi sua mensagem de voz. Até pensei em retornar, mas era meu processo de cura, pois outra vez estava magoada contigo. Ouvir teus desabafos de sentimentos por outro alguém me deixou enfadada e duvidosa se o meu amor era suficiente. E aí compreendi que meu amor era suficiente sim, mas não para você. Demorei, mas me reergui, olhei no espelho e ali entendi que o amor que eu desperdicei contigo, deveria sentir por mim. Dei uma nova chance para viver intensamente. Não me arrependi das bondades que te fiz. Nós só colhemos o que plantamos. Ah! Só te desejo coisas boas sempre. E isso tudo falo para você que só me procurava quando não estava bem.

Tempo certo

 

Vida

Me deixe sentir, mesmo que seja a dor…

É complicado quando te dão os céus e depois te empurram de lá do alto até cair pelo chão e ficar em pedaços tão pequenos. É complicado a dor de um coração partido. Você passa a avaliar demais. A desconfiar demais. A encarar demais. A se preocupar demais. Vai ficar tudo bem – eles dizem. Mas o que eles não sabem é o quanto choramos até nos vermos capazes de não conseguir mais derrubar uma lágrima sequer. Não ouvem nossa alma gritando o medo que nos rodeia quando as pessoas pedem para que confiemos nelas. Não veem nosso sorriso frouxo quando nos perguntam se superamos – calma, respira. Tudo bem. É como sempre digo, não podemos julgar o que passa dentro dos outro, mas empatia faz bem. Sentir demais só sente quem se permiti, até mesmo a dor que insisti em se alojar no peito da gente deve ser sentida – e me desculpem por repetir demais essa palavra. Apesar do tempo que voa depressa, as vezes, numa noite qualquer, paramos no mesmo lugar com os mesmos pensamentos e a dúvida do “e se?”. Como seguir em frente quando nossa mente viaja para trás? Como dar uma nova chance para um novo alguém quando nem para nós mesmos fomos capazes de dar a chance que precisamos para mudarmos e sacudir a poeira? E se nos magoarem outra vez? E se sofrermos de novo? E se não conseguirmos? Doí se sentir assim. E da nossa dor meu caro, só nós mesmos para entender – mas é até engraçado, eu digo – pois em certos dias, nem mesmo eu consigo. Tem horas que é isso, temos que sentarmos e sentirmos cada centímetro desta amargura que, para uns é coisa atoa e para outros é uma barra pesada de carregar.Cada um sofre de algo que por incrível que pareça, trava os pés de caminhar novas trilhas e de conhecer além do horizonte. E hoje não falo de amor, nem da alegria de ter uma companhia ou do jantar entusiasmado na casa da vovó, tampouco da prova ferrada da faculdade que tirei 9. Estou falando da dor, que mesmo escondida e calada, consegue me levar a refletir sobre a vida e do que realmente espero dela. Da dor que me aflige, mas me dá coragem de permanecer só ao invés de enfiar as pessoas na minha bagunça interna. Sofrer sozinha? É necessário, em certos momentos. A gente precisa se reencontrar, deixar as coisas no seu devido lugar e, se permitir sentir profundamente a felicidade que o novo amanhã pode nos proporcionar. Mas confesso, chega ser impossível quando não temos forças, só que o impossível de agora, se torna possível quando menos esperarmos. É certo que me feriram. É certo que me senti insegura, inválida. É certo que por um longo período me tornei obscura e fechada. Porém, nada é tão certo quanto a minha fé que busco para conseguir enfrentar diariamente essa dor que me atinge. Eu agradeço por não ter me tornado como aqueles me quebraram e, de como estou podendo amadurecer por detrás desse sentir demais, mesmo que seja uma dor.

Tempo certo
amor

Voltei para admitir….

Eu fugi. Por anos me escondi entre meus livros e os diversos lugares que desejava explorar. Andei por outros caminhos. Conheci novas pessoas. Eu fugi. E cada vez que eu esbarrava com algo que me lembrasse você, fugia de novo. Se adiantou? Não. Fugi. Corri. E cá estou de peito aberto falando de nós outra vez – como se fosse novidade né? Pois éVivi uma fuga desnecessária. Por mais que estivesse certa de que não te queria na minha vida naquele tempo, a própria vida fez questão de esfregar na minha cara o quanto eu já era tua mesmo não querendo. Sempre gostei de ser independente e livre, mas toda vez que eu parava para pensar em ter alguém pra me abraçar nos meus bons e maus dias ou em alguém que pudesse segurar as minhas mãos, era em você que eu pensava. Por que? Porque eu sempre estive presa à você. Fugir do que pudia sentir – ou já sentia – só fez tornar esse mistério do “eu e você” mais atraente e apaixonante.Confira inspirações para deixar suas fotos de casal mais criativas, românticas, bonitas e únicas. As imagens são do site Pinterest.Leia também:25 truques que te deixarão mais fotogênicaComo sair bem em fotos usando 5 truques de make6 dicas para sair bem na selfieQuando me dei conta, me encontrei em teus braços numa bela noite de sexta-feira, e eu só consigo recordar do teu cheiro e do quanto estar contigo é bom. Tua calma e ternura pendurada nestes teus olhos claros, me instiga a alma a querer conhecer-te profundamente, cada vez mais e mais. – pausa para eu respirar fundo rapidamente. Não sei o que o amanhã nos reserva, até porque, algumas surpresas faz um bem danado. Você é uma surpresa para mim. E eu, que sempre fui boa em afastar as pessoas, sei aqui em meu coração que sou boa para você. Estamos descobrindo o que há por detrás dos nossos medos de querer viver esse amor, e confesso que tem sido as melhores sensações possíveis. Eu fugi só para ter que voltar aqui e admitir: tu sempre foi a melhor parte de mim, e pelo que vejo, tu sempre será. Que na próxima vez fujamos juntos para um lugar seguro onde eu possa te amar ainda mais. Obrigada por estar aqui.

Tempo certo
Vida

Um adeus ou um até logo, a vida quem vai dizer….

Eu estaria mentindo se eu dissesse que não tentei. Busquei entender de mil formas possíveis essa louca história da gente. Cheguei ao ponto de me moldar pra tu poder caber em mim, e eu caber em você. Mas, essa semana doeu como nunca tinha doído. Chorei como não tinha chorado. E pensei como não havia pensando – sobre nós dois. Quem somos nós para julgarmos o que passa dentro do outro? E quem sou eu pra querer competir com sua frieza? Quem é você pra me alcançar em meus passos acelerados? Não sei se essa decisão é definitiva, só que estou dizendo adeus. Também não estou em cima do muro de não saber o que quero, mas precisamos de um tempo distante para colocarmos as ideias e sentimentos nos eixos, porque, se for de verdade, nada e nem ninguém será capaz de apagar.Sua mente está em outros planos e seu coração se deleita em outros amores. E eu? Bom, eu não me importaria de ser só sua e fiz questão que soubesse disso. Mas nos permitimos ser levados pelos pontos negativos quando tínhamos tudo para dar certo. Nós nos perdemos pela trilha chamada dúvidas. Quem sabe esse momento seja de seguirmos novos caminhos, e longe – literalmente – um do outro. Eu não tenho certeza do futuro, tampouco devo cuspir para o alto dizendo “nunca mais quero saber de você”, pois o agora não define o amanhã. É como aquela frase que gosto muito diz: “talvez a gente se esbarre e se conheça de novo com o olhar mais maduro e o coração mais decidido”. Não prometo que deixarei de escrever sobre você, embora essa seja minha maior vontade – mas não consigo, porque se não virar amor, vira poesia do mesmo jeito. Não prometo também que deixarei de sentir sua falta, pois eu não precisava te dizer pra poder sentir – e por meses sofri calada com tua ausência. Também quero que me prometa que não deixará de escrever sobre mim donde tu estiver, e se sentir vontade de me enviar suas palavras, estarei aqui para ler cada entrelinhas. Também peço que prometa, por tudo que vivemos e sonhamos viver: se sentir que isso vale realmente a pena, me procure. Quem sabe até lá estaremos prontos como nunca fomos capazes de estar. Eu espero que tu se encontre, e que eu deixe de ser tão medrosa. Sinto tanto, mas preciso ir. Isso pode ser um adeus ou um até logo, a vida quem vai dizer.

Tempo certo

 

Dedicatoria

É clichê dizer, mas sinto tua falta…

Eu sinto tua falta. Dizer assim se parece tão vazio e sem retorno. Mas, profundamente falando, ando fugindo de ver o mundo ao meu redor, e te encontrar aonde eu olhar. Eu sinto tua falta. As vezes sequer decidi pensar em ti, aí passo em frente aquela papelaria – e seria cômico, se não fosse trágico – só que até uma agenda me faz lembrar você – tu tinha que gostar de escrever também? Ah! Eu sinto tua falta. Gritar isso aos quatros canto é perder a voz, quando no fundo eu sei que tu ouve minha alma donde está, pois nossa conexão continua ali, intacta. É tão ruim ter que admitir: Eu sinto sua falta. Por que? Porque se há falta, há ausência. Se há ausência, há dor. E sim, doí. Mas não chega ser uma dor desgastante, é mais aquela sensação de que tu podia estar aqui, mas não pode – ou não quer.Eu tentei ocupar-me com outro alguém, e ainda bem que ele não quis ficar na minha bagunça interna e se foi, pois quando tentou se alojar, lá tu estava com uma placa escrito: esse coração pertenci a mim. Quem ler esse texto pode até pensar que falo de um amor que não me quis, quando na verdade nós dois não quisemos – e não nos pergunte como é possível, porque nem mesmo nós saberíamos explicar. No fundo, onde nosso peito almeja por respostas certas, exite um buraco que nada e nem ninguém foi, até então, capaz de preencher. É bem provável dizer que naquele tempo não era nosso momento. Que encarar aquele sentimento naquela ocasião, iria nos causar mágoas irrevisíveis “para sempre”. Mas ficamos hoje aqui, sem saber como teria sido, com uma saudade do que não vivemos e na esperança que possamos nos permitir amar – mesmo se não for um com o outro – ao lado de quem faça valer a pena toda a espera que passamos. Eu estou sozinha, sem me preocupar em ter alguma companhia, mas estou presa a você, mesmo sem querer. Eu sinto tua falta. Sinto tanto que nem sei me expressar. Nem sei do que sinto tanto assim. Coragem para dizer o que está aqui dentro eu arrumo todas madrugadas antes de dormir, olho para o celular e penso em escrever aquela mensagem arrebatadora, aí recuo, me viro de lado, lembro da gente entre as paredes do meu quarto e, adormeço soluçando sem entender como a vida complica sem percebemos mas no final descubro que, quem complica mesmo somos nós. Eu queria ser capaz de olhar nos teus olhos e despir minh’alma diante de você, mas veja que engraçado, você já me conhece tão bem. Eu queria, quem sabe, poder te convencer que tu, do teu jeito mais estranho, é alguém por quem vale a pena – e eu não precisaria de outro. Que sua alma, a qual da boca pra fora tu diz ser fria, é a mais quente que tive o prazer de conhecer. Tua voz, que tão comum entre tantas outras, soa aos meus ouvidos como canção. Que teu sorriso torto me faz por segundos desejar que fossemos um do outro, sem intervenção, sem porquê. Ah! Convencer que teu cheiro fica na minha roupa, me fazendo agonizar-me ao recordar de você. Que teu abraço desajeitado tem gostinho de lar. Ah! Quem sabe assim tu entenderia que, mesmo eu dizendo que não te amo, em mim mora um sentimento tão teu, capaz de me dá inspiração meses após meses. Embora tua falta me incomode, ela não me faz esquecer o quão medrosos e confusos somos. Pode ser que uma outra pessoa chegue e nos domine da cabeça aos pés. Só que agora é isso: sinto tua falta. É uma dor terrivelmente maravilhosa. Só que confesso que, todos os dias desejo que pare de doer e que eu não esbarre contigo pelas coisas que vejo ao andar pela cidade ou ao viajar em meus pensamentos, mas confesso também que não iria saber conviver sem poder te ver ou não mais ouvir o meu eu dizendo dentro mim “eu sinto tua falta“, ao lembrar do que fomos e do que poderíamos ser.

Tempo certo