Dois

O outono e seus pensamentos…

O outono chegou, e com ele a brisa de diversos pensamentos. Têm dias que acordo e nem paro pra pensar no futuro, mas há outros que acordo querendo saber: “por onde anda o amor da minha vida?” Conhecemos gente quase todos os dias. É no metrô, na fila do banco, no corredor da faculdade, até no trânsito – seja onde for. Muitas das vezes passamos desapercebidos por pessoas incríveis, pois é bem isso que somos: um acumulo de sensações, mas a pressa nos tampa a visão, e em certos momentos, até o coração. Sim, eu continuo esperando pelo amor. Esperar. Essa palavra está se tornando um clichê em minha vida. Alguns ainda insistem em dizer que quero escolher, mas o que eles não entendem é que meu coração não é descartável, que só porque não deu certo, eu esqueço e parto para outra. Tenha dó né? Eu já disse, e posso repetir quantas vezes forem necessárias: o amor é um sentimento nobre demais para ser desperdiçado com quem não deseja amar de verdade.Não me desespero, ando tendo paciência em esperar, porque tenho plena certeza que Deus está cuidando de tudo. Eu não quero alguém para levantar meu ego, só reconhecendo minhas qualidades sem se dar conta que os defeitos estão presentes e são partes de mim ou que fique sem me confrontar quando eu estiver errada, entende? Estamos vivendo rodeadas de pessoas pervertidas e desacreditadas nas coisas boas que trazemos no peito, mas ainda bem que apesar de tudo dizendo o contrário, mantenho-me firme na crença que “o amor une perfeitamente todas as coisas”. Um amor que una seus sonhos aos meus para juntos caminharmos. Um amor que ria dos meus desastres, mas me abrace quando eu precisar chorar. Um amor companheiro, confiante. Um amor que mesmo não tendo condições financeiras o suficiente para viajar, se sinta feliz em passar o dia assistindo um filme atoa. Que comemore comigo as minhas vitórias, me permitindo comemorar a suas também. Um amor que ame minha família meio doida, que faz piada de tudo – mas que dá umas cortadas legais para sabermos como viver, e principalmente de como fazer um casamento durar. Um amor que me respeite. Que seja inteiro, sem medo de se entregar. Um amor que não resista a saudade, e venha me ver quando dar na telha. Que converse comigo sobre tudo, e que goste de me ouvir cantar. Um amor que cozinhe bem, pois é como dizem né, “a beleza acaba, mas a fome não”. Eu quero um amor que eu possa chamar de lar e partilhar os meus anos ao seu lado. Um amor que resista o tempo. É. Eu desejo um amor novo, sem receios sobre o passado. Eu quero amar, mesmo que o outro não mereça. Eu quero um amor que me ame, mesmo quando eu não merecer. Eu quero por fim que sejamos um só, pois daí pra frente, não só as alegrias, mas as dores também serão divididas. E o que parecer pesado demais para carregar, com a ajuda um do outro, saberemos levar adiante, para sempre.

Tempo certo

Dedicatoria

Sossega esse teu coração

Você só tem apenas 22 anos, mas eu sei que em vez ou outra, o medo de ficar só bate a porta. Nós estamos diante do tempo e ele em certos momentos não espera por nós. Você anda tão atarefado, deixando de realizar tantas coisas, e isso chega a te preocupar quando para pra pensar no dia de amanhã, não é? Eu sei que tu olha outras pessoas de sua idade já casadas, ou até com filhos, em uma vida totalmente estável. Só que ó, não há nada de errado contigo, então leia atenciosamente o que vou lhe dizer: O amor leva tempo. Ele não é mau educado, muito menos forçado. Não extrapola espaços. Respeita sua estação certa para amar, e o ideais que cada um possuí. O amor que vem para ficar, vem de mansinho, arranca suspiros e te faz dormir sorrindo. Essa coisa de sofrer antes mesmo de começar está longe de ser amor – é só uma grande atração fantasiada, mas o seu fim é cheio de incertezas. Te conheço tão bem, então vou lhe dizer: não se deixe levar pela vontade de estar com alguém ou pela a saudade de ser a saudade de quem quer seja, dando valor a quem não te merece. Repare, avalie e só se entregue quando sentir as pontadas gostosas em seu coração – esse foi meu jeito diferente de falar sobre as sensações boas que sentimos quando encontramos alguém especial.Primeiramente, só vai dar certo se você e a outra pessoa gostar de conversar e saber ouvir a voz um do outro, sendo capaz de gravá-la na alma para sempre, pois quando o silêncio chegar entre os dois, a lembrança da voz doce fará com que entendam que a maré siliciosa não é ausência de amor, e sim a paz que só o que é verdadeiro pode trazer. A companhia tem que ser equilibrada – você tem que ser equilibrado – a única coisa demais que deves sentir é a saudade. Em segundo lugar, só aceite um novo alguém quando a sua presença te trazer sentimentos indescritíveis, mesmo que se passe cinco, dez, ou cinquenta anos. Em terceiro, não menos importante, só se envolva com quem admita que seus defeitos fazem parte de você, essa coisa de “apesar dos seus defeitos (…)” faz com que pensamos que mereçamos alguém perfeito, quando no fim, nem nós somos. Enquanto o amor não chegar, trabalhe; estude; viaje; crie um bom repertório musical e, uma mine biblioteca de bons livros. . O que quero lhe dizer na verdade é que, viva intensamente. O amor não te fará feliz, porque você tem que ser antes de encontrá-lo. Isso mesmo, seja uma pessoa inteira para que o outro se sinta seguro quando as coisas não estiverem muito bem, pois o amor de muitos só dura enquanto há calmaria, mas somente o verdadeiro permanece nos dias maus. Sossega esse teu coração, você é incrível demais para sofrer por coisas banais e por pessoas vazias. O amor há de vir – ou talvez já veio. Mas não tenha pressa em descobrir, porque nunca é tarde para amar, e vocês hão de se esbarrar nessa caminhada do dia-dia.

Tempo certo
Vida

Doeu, só pra saber…

Eu não imaginava que fosse possível sermos partidos em pedaços, embora nosso corpo permanecesse inteiro por fora. Eu nunca cri que alguém pudesse ser capaz de mentir olhando dentro dos olhos como se fosse a coisa mais normal do mundo; capaz de nos ver chorar e não sentir remorso. Nunca fui do tipo de fingir nem simpatia, imagina amor. Aí você chegou, e eu só tinha dezessete anos naquela época. Tudo que eu queria era ter as tais borboletas no estômago para que quando eu chagasse nos oitenta, pudesse contar aos meus netos a alegria de encontrar a pessoa amada ainda muito jovem, e nem sei o porquê desse pensamento, mas passou – literalmente passou, você conseguiu destruí-lo. Eu nunca fui de colocar expectativas em qualquer pessoa que fosse, só que quando te olhei naquela noite na praça da cidade, rindo e contando suas piores piadas para nossos amigos, acreditei que pudesse ser diferente. Eu sou 8 ou 80. Essa ideia de meio termo não combina comigo, e você sabia bem disso, e mesmo assim quis ser metade. Tudo bem de partir, ninguém é obrigado a ficar com o outro sem querer, mas que seja direto no que realmente quer então. Sem essa de tapar o sol com a peneira – como você tentou. Tu foi levando tudo por debaixo do pano, quis faltar com sentimento, logo comigo que sou tão intensa!? Se foi consciente ou não, e se era para doer ou não, fique contente ou entristecido em saber que doeu sim, e muito. Agora que se passaram anos, vejo o quanto amadureci depois dessa tortuosa dor de ser quebrada a confiança em um grande amor. Não. Não estou apaixonada de novo, e não pretendo estar muito cedo. A vida tem me mostrado vários motivos para permanecer sozinha por um tempo, pois quando aprendemos a desfrutar de nossa companhia, aprendemos também sobre equilíbrio, perdão, podendo renascer para novos ares que hão de vir. Eu tinha planos para nós – você dizia ter também. Respiro fundo, porque é demais para mim. Eu amei conhecer alguém como você – e pode parecer clichê, mas nunca havia amado assim antes – mas odiei saber que quem amamos podem nos ferir na mesma proporção. Doeu, só que passou. Demoro até, mas, antes tarde do que nunca, não é!?

Tempo certo
Vida

Teu cheiro…

Cheguei do serviço, depois de um dia normal. Não havia lembranças do passado. Não havia saudades. Não havia choro, tampouco mágoas. Não havia nada que pudesse me levar até você. Aí entrei em casa e, que raio foi aquele? Alguém com teu perfume resolveu enfeitiçar os cômodos. É. Teu cheiro estava lá, tão vivo, e literalmente real. Maldito presente de aniversário que meu irmão havia ganhado – e ele despejou por todo canto. Que baque. Sentei no sofá ligeiramente. Cara, era como se eu estivesse viajando na linha do tempo. Éramos tão novos, tão imaturos, e aquele teu cheiro marcava cada encontro. Me lembro de que todas as vezes que partia, tu me abraçava e dizia: “fica com um pouco de mim em você, para se lembrar quando for dormir”Meu coração está acelerado, que loucura, não? Mas, olha, me perdoa. Perdoa por ter lhe feito chorar. Me perdoa por te amar e mesmo assim, ter deixado você partir, quando na verdade tu só queria ouvir um pedido para ficar. Aquele cheiro revirou meu peito, e minha cabeça está dividida em muitos pensamentos. Atualmente você está tão mudado, tão distante, mas teu perfume continua o mesmo, pois mesmo que vagamente, naquela noite da formatura eu senti. E agora que ele passeia pela minha casa, fico paralisada remoendo saudades. Ah! Sorte de quem está perto de uma pessoa tão incrível como você agora – apesar das mudanças – podendo entrelaçar os braços no teu corpo. Eu juro que se eu pudesse voltar lá atrás, jamais permitiria que partisse. Te seguraria e diria que teu abraço é um lar, e teu cheiro um combustível extra pra caminhar. Só que no fim eu sei bem, que não é bem o perfume em si que eu amava, pois mesmo com cheiro de água e sabão, o que eu queria mesmo era estar contigo. E se eu trombar com esse você pelo ares outras vezes – o que é muito provável – vou novamente recordar, mas sempre com pé no chão. Passou e passará – sempre passa – a vida segue em frente sabe, e há coisas que não podemos mudar. Só por hoje quero sentir, amanhã não sei. Então deixa o vento trazer, depois ele se encaminha de devolver para o passado.

Tempo certo 
amor

É sobre você, de novo…

A gente não volta ser o mesmo depois que um grande amor se vai. Que bom, eu acho. No meu caso é, amadureci muito, mesmo que ainda me dê um nó lembrar de você. Talvez, se não tivéssemos tido aquela discussão naquele dia, naquela hora, e quem sabe tivéssemos esperado esfriar a cabeça, não estaríamos tão distante agora, sem sequer saber se vai tudo bem ou não com o outro. A gente se perdeu, e remoer dolorosamente essa história é pedir para sofrer outra vez, só que mais doloroso que isso, é não pode lhe dizer o quanto ainda te amo. Eu passei uma parte da vida sem acreditar no amor, e neste momento já não sei mais viver sem crer nele. Embora não estamos mais juntos, em algum mundo paralelo, sua presença é tão forte – como se nada ruim entre nós tivesse acontecido – e eu sinto que é lá nesse mundo, que meu coração vive hoje. É tão singular a forma a qual você ainda sorrir. Sim, andei reparando em você naquela mesma festa que fomos ano passado. Te olhei disfarçadamente – e sei muito bem que eu não disfarço nada, desculpe-me. O bom é que meu jeito extrovertida me tira de toda e qualquer situação desconfortável, e com isso, você nem sei tocou que eu te observava por sentir saudades – sério que acreditou que era por conta daquela mancha no terno? Você não mudou nada quanto a sua distração, que era irritante, mas apaixonante. Penso que talvez, se você não estivesse distraído naquele dia que nos conhecemos, não teríamos nos amados tanto meses mais tarde. De fato, alguns defeitos são essenciais em algumas pessoas. Eu ainda amo você, isso é um absurdo, então por favor, não me julgue, porque eu sei o quanto é absurdo – só para enfatizar. Preciso dizer que bebi saudades não só a semana inteira, mas o mês todo, e é horrível a ideia de que sua mãe ainda pergunte sobre mim depois de tanto tempo, porque, nem eu te esqueço de cá – por ainda te amar – e nem você me esquece daí por sua família, em vez ou outra, falar meu nome. Não sei o que ainda sente, só sei que em algum mundo paralelo, diferente do qual você está presente, eu vou te esquecer, mesmo que demore um bocado. Por hoje é só, acho até que falei demais. Eu te amo.

Tempo certo
Dois

“Imagina se você não volta?…”

quandovocesurgiuEra quarta-feira de manhã quando o telefone tocou. Sua voz de sono entregava que havia acabado de acordar. Estava atrasado, o ônibus iria passar às oito horas, pois você estava de malas prontas para Manaus, a trabalho. Já tínhamos nos despedidos antes, mas a saudade já era tanta, que ficamos lamentando e dizendo: “são só alguns meses, passarão rápidos”. Não tinha um dia sequer que não me ligasse para me dizer como estava por lá. Foram madrugadas de longas conversas e muito aperto no coração. De cá eu cuidei de mim e dessa falta que fazia, até receber uma mensagem da minha mãe para almoçar em casa aquele dia. Não estranhei, saí do serviço e fui. Como é que pode? Você estava lá me esperando, com um sorriso no rosto e um buquê de flores na mão. Eu me lembro como se fosse hoje, até porque, foram seis meses de alguns intensos quilômetros de distância. A saudade era tamanha, e eu não sabia de chorava ou sorria de tamanha felicidade. “Imagina se você não volta?”, eu disse. E com aquele teu olhar sereno tu me abraçou e afirmou que sempre voltaria para mim.

naoinsista_aterapiadealiceMeu coração era seu. Não havia dúvidas, tampouco espaço para sentimentos ruins. Sentíamos tudo numa baita intensidade. Era amor. Era saudade. Eram nossos sonhos. Eram nossas canções. Era eu e você. E o era agora faz parte da nossa história. Recordar de tudo hoje em dia, me faz pensar como a vida é traiçoeira. Quem iria advinha que em um certo momento tudo acabaria? Já faz dois anos que você se foi, e eu estou apagando pouco a pouco cada lembrança sua. Sim, bem lentamente – foi tanta coisa boa vivida por nós. Eu gostaria que a campainha tocasse outra vez, e eu pudesse dizer, “imagina se você não volta” de novo, porque de todas as pessoas que já conheci, você foi aquela que eu mais amei e a que mais me marcou, sem muitos esforços. Não tenho raiva e nem mágoas. Fomos imaturos e o destino nos passou para trás. Não choro, não esperneio. Eu passei a ver as coisas com um pouco mais de calma, pois era isso que você me passava: calma. Sãos tantos os casos que vemos por aí de casais que se separaram, e com o tempo se reencontraram. Quem sabe, um dia, nos tornamos parte disso também. É um hipótese, talvez. Quem sou para saber o que o futuro trará? Ah! Mas se tu voltar, com certeza eu estarei aqui para dizer: imagina se você não volta!?

Tempo certo
amor · Tempo

Deixa que a saudade fale por si só…

Sumiram as palavras. Sentei. Pensei. Escrevi, apaguei, reescrevi. Não consegui entender, como é possível querer escrever de você, outra vez? Tentei não lembrar – juro – mas reza a lenda que amores verdadeiros dificilmente são esquecidos. Não sei dizer o que sinto afinal, mas no fundo – lá onde ninguém ousou entrar de novo – ainda têm saudades suas. É como se o que vivemos ainda estivesse aqui. Tínhamos tudo para ser um amor bonito e duradouro, mas como a vida é um sopro, te levou para tão longe, que eu já nem mais se tu ainda continua com aquelas suas manias, que ora me irritava, ora me fazia sorrir. Estamos distantes. E eu gostaria muito que isso se referisse aos quilômetros da tua casa até a minha, porque nada mais doído do que a distância que não podemos quebrar. Nada mais doído do que saber que quem um dia amamos, se foi, assim, meio que sem querer, mesmo querendo ficar. Você foi a melhor parte de mim, e hoje eu caminho com os traços seus gravados no corpo. É o jeito de falar, de sorrir, e até mesmo de olhar. Os lugares que íamos, e os amigos que conquistamos juntos. Até meus pais me lembram você. Seria bom, se não fosse triste. Não, não estou sofrendo por tua ausência, muito menos deixando de viver. Ah! Se estivesse aqui, eu te alugaria por horas e horas, somente para lhe contar tudo que aprendi nesses dois longos anos. Mas, por mais que eu não queria sentir nada, vem dia, vai semana, passa o mês, e os pensamentos chegam também. É impossível não recordar de quem me vez tão feliz. Eu ainda não encontrei as palavras certas a usar, mas como saudade a gente não entende, deixo que ela por si só possa falar. É, meu coração lembrou de você, outra vez. Não consigo achar graça em nenhum outro sorriso, e nem em outro tom de voz, mas creio que um dia há de aparecer outro alguém com outro amor. Enquanto isso, até lá, vou deixar a saudade falar você, até se cansar; até deixar de se lembrar, de vez.

Tempo certo